Páginas

domingo, 28 de agosto de 2011

Figueirense x Avaí - Ressucitando defundo...vergonha!

O Figueirense recebeu seu maior rival no Orlando Scarpelli para o primeiro clássico da era dos pontos corridos. O time vinha confiante depois da vitória na casa do líder Corinthians na última rodada enquanto que o rival tentava juntar os cacos durante a semana. Uma vitória deixaria fecharia muito bem o turno do Figueira, deixando o time próximo da zona de classificação para a libertadores e ainda afundaria ainda mais o adversário. Pois mesmo com todos os prognósticos a favor, pela segunda vez no ano o Figueirense sucumbiu para o maior rival dentro de casa, ressucitando novamente da cova o difunto Avaí. É impressionante como o time consegue transformar um jogo fácil em difícil. Assim como no catarinense, nessa partida todos sabiam qual seria a única arma avaiana do jogo e mesmo assim o time comandado por Jorginho deu mole deixou com que o atacante Willian desse a vitória para o Avaí.
O jogo começou com o alvinegro dominando a partida nos primeiros 20 minutos. Jorginho surpreendeu na escalação e optou por Elias no meio e Wellington Nem na frente ao lado de Júlio César, deixando Fernandes no banco. Assim, do meio para frente o time era todo formado por canhotos. Naturalmente as principais jogadas saíam mais pelo lado esquerdo ataque. Novamente maicon era o encarregado por organizar e fazer o meio-campo rodar, com liberdade para acionar os laterais e atacantes do Figueira. Nos minutos iniciais o goleiro Felipe já tinha visto seu gol ser ameaçado por Elias, Júlio César e até o zagueiro Édson que perdeu oportunidade na pequena área. Aos 15 minutos no primeiro ataque adversário veio um susto com Acleisson que de fora da área carimbou o travessão do gol defendido por Wilson. Apenas 3 minutos depois Maicon bateu escanteio e Igor cabeceou na trave; na volta a bola bateu no goleiro Felipe e morreu dentro do gol. Na frente do placar o jogo estava para o alvinegro. Aos 25 minutos, Bruno fez jogada pela direita e cruzou para Júlio César que dentro da área dominou e tocou no meio das pernas de Pedro Ken, que derrubou o atacante alvinegro. Pênalti marcado. Na cobrança, o próprio Júlio César foi para a bola e acabou chutando para fora, desperdiçando uma grande oportunidade de ampliar o placar e quem sabe, definir a partida logo nos primeiros minutos. O Figueira sentiu a perda do pênalti. O time que estava num ritmo forte deu uma esfriada na partida e aos poucos o Avaí foi ganhando confiança. Arlan aproveitou bem os apoios de Juninho e soube jogar nas costas do lateral. Em um cruzamento perigoso, o lateral avaiano achou Lincon na área que cabeceou no canto obrigando Wilson a se esticar todo e fazer difícil defesa. Apenas 5 minutos depois, um replay da jogada avaiana. Novamente o lateral Arlan apoiou nas costas de Juninho e cruzou para Lincon que dessa vez não desperdiçou e cabeceou no contra-pé de Wilson, empatando a partida. Impressionante como o time não teve percepção de jogo. O gol de empate foi praticamente idêntico à jogada anterior e mesmo assim houve a falha no sistema defensivo alvinegro. A igualdade no placar parece ter acordado o Figueirense. O time se concentrou e voltou a impôr seu ritmo de jogo. Aos 44 minutos Elias tocou na lateral da área para Juninho que cruzou na pequena área para Júlio César; o atacante chutou em cima de Felipe, no rebote chutou no travessão e por sorte a bola voltou novamente a seus pés e ele acabou completando para o gol e o primeiro tempo terminou com o Figueira na frente do placar.
O segundo tempo começou da forma que terminou o primeiro, com o alvinegro mandando no jogo. Logo aos 4 minutos Júlio César desperdiçou a chance de se tornar "o cara" do jogo. Maicon deu excelente passe para o atacante que na saída do goleiro Felipe tocou por cima do gol perdendo novamente uma grande oportunidade de ampliar o placar. Pouco depois Maicon fez bela jogada na frente da área e acabou chutando para fora. O Figueira dominava a partida, mas em mais uma escapada pela direita, o lateral Arlan passou por Juninho e na linha de fundo tocou para Willian que veio por trás da zaga e empatou a partida. Jorginho mexeu no time e colocou Fernandes no lugar de Elias e Pittoni no lugar de Túlio. O Avaí recuou ainda mais, porém o jogo estava em aberto e qualquer um podia definir a partida. Logo depois, Somália entrou no lugar de Wellington Nem e o Figueirense foi para o tudo o nada. Aos 28 minutos Júlio César recebe na área, bate cruzado mas Somália acaba chegando atrasado. Em seguida Fernandes faz bela jogada na direita e chuta na entrada da área de perna esquerda obrigando Felipe a fazer grande defesa. Aos 40 minutos uma jogada mostrou o que foi a partida. Em bola na área, houve um bate-rebate incrível e em uma única jogada o goleiro avaiano salvou a queima-roupa, o zagueiro tirou em cima da linha, a bola sobrou e o Figueira perdeu em baixo do gol  e na continuação o zagueiro Édson Silva cabeceou na trave. Como diz o ditado, quem não faz leva. Apenas 1 minuto depois, o Avaí bateu falta na meia direita e Willian sozinho na área nem precisou pular para de cabeça marcar o gol da vitória avaiana. O Figueira ainda tentou o empate mas sem organização não conseguiu chegar ao gol adversário. Novamente o time cai dentro de casa para o maior rival e agora tem pouco tempo para digerir a derrota já que quarta-feira vai até o Ipatingão enfrentar o Cruzeiro.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Corinthians x Figueirense - Chupa Juca!

No sábado o Figueirense foi até a capital paulista enfrentar o líder do campeonato, o Corinthians. Com a confusa derrota no meio de semana para o Fluminense, um resultado positivo diante da equipe paulista seria importante para que o time se recuperasse na tabela e para dar uma tranquilidade maior ao clássico que será disputado no próximo final de semana. Como de praxe a imprensa paulista dava como certa a vitória corintiana já que era pouco provável que o líder do campeonato fosse perder pontos em casa para o Figueira, como podemos ver no blog do famoso especialista esportivo Juca Kfouri (http://blogdojuca.uol.com.br/2011/08/em-manutencao/) . E agora? Chupa Juca Kfouri!
Pois bem, o jogo começou e o Figueirense foi dando as cartas da partida. Jorginho surpreendeu na escalação e armou um time com Igor, Túlio, Maicon, Fernandes e Wellington Nem no meio, deixando apenas Júlio César no ataque, com uma aproximação dos meias alvinegros. E assim o Corinthians foi dominado nos primeiros quinze minutos de jogo, com o meio campo tocando e rodando a bola deixando a equipe paulista confusa na marcação. Assim, o Figueira criou sua primeira jogada de perigo quando Fernandes tocou para Wellington Nem que de primeira devolveu para o meia já dentro da área, mas o goleiro Júlio César mais rápido chegou abafando a perigosa jogada alvinegra. A partir daí o Corinthians se achou em campo e passou a dominar mais a partida. O Figueira, bem postado defensivamente não deixava que a equipe adversária concluísse à gol e tentava alguma jogada ofensiva nos contra-ataques. Aos 13 minutos o meia Alex foi derrubado próximo da área e o zagueiro Chicão cobrou a falta e carimbou o travessão do gol defendido por Wilson. O Corinthians continuou rondando a área alvinegra mas sem levar perigo algum. Aos 34 minutos o Figueirense encaixou uma jogada mortal. Juninho tocou para Fernandes na esquerda e o meia lançou para Júlio César no meio da zaga adversária. O atacante foi na linha de fundo e cruzou para Wellington Nem que chegou livre para completar a jogada e abrir o placar da partida. O gol deu tranquilidade para o time e passou mais ansiedade para a torcida corintiana que terminou o primeiro tempo preocupada.
Veio o segundo tempo e o Figueirense voltou com a  mesma formação do início da partida. O Corinthians veio um pouco mais ofensivo com o atacante Émerson no lugar do lateral esquerdo Welder. A proposta do alvinegro foi clara, defender o resultado e se possível sair no contra-ataque para matar a partida. Assim como em parte do primeiro tempo, o time paulista dominava a partida mas pouco concluía a gol. O goleiro Wilson pouco foi exigido. Na jogada mais perigosa do "Timão" o ex-Figueira Willian recebeu na entrada da área e de perna esquerda carimbou a trave alvinegra. Aos pouco Jorginho foi recuando ainda mais o Figueira, sacando Fernandes e colocando Pittoni e tirando Wellington Nem para a entrada de Roger Carvalho na zaga. Já nos acréscimos, quando o Corinthians ainda buscava forças para tentar o empate, Júlio César recebeu na meia esquerda, se livrou do marcador, foi em direção a área e de perna direita chutou a bola e carimbou a trave; no rebote, Pittoni de primeira completou para o gol e fechou o caixão corintiano. Mais uma vez o Figueirense fez história no campeonato brasileiro, em mais um jogo para ficar na memória dos torcedores alvinegros. Agora é ir pra cima do maior rival para terminar o primeiro turno com o pé direito.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Fluminense x Fluminense - Faltou luz no Engenhão? Não, mas teve apagão!

O Figueirense foi até o Rio de Janeiro enfrentar o Fluminense no estádio João Havelange, o Engenhão. Como de costume nos últimos jogos realizados nesse estádio, novamente houve um pequeno apagão. Mas não foi a luz que faltou como em outros jogos, o apagão foi alvinegro. Após um bom primeiro tempo, em 5 minutos no segundo tempo o Fluminense praticamente estava com a partida definida.
O jogo começou e os primeiros 10 minutos foram do Figueirense. Mantendo a posse de bola o alvinegro envolvia o Fluminense e embora não agredisse muito ofensivamente conseguia controlar bem a partida. Aos poucos a equipe carioca foi entrando no jogo e logo foi criando oportunidades. Aos 13 minutos o lateral Carlinhos chutou de fora da área e a bola entrou no canto esquerdo de Wilson, porém o atacante Rafael Moura em posição de impedimento fez o corta-luz para a bola entrar e o gol foi anulado corretamente pelo árbitro da partida. Em cobrança de escanteio novamente o Fluminense assustou obrigando o goleiro Wilson a fazer boa defesa em conclusão de cabeça. Passado a metade do primeiro tempo o Figueirense passou a agredir mais o adversário. Elias recebeu na meia direita, carregou para a perna esquerda e chutou forte de fora da área assustando o goleiro Diego Cavalieri que viu a bola passar próximo da trave direita. Aos 39 minutos Somália recebeu na área livre, dominou e tocou no lado para Julio Cesar que dominou e de perna direita chutou forte obrigando o goleiro tricolor a espalmar a bola para escanteio. Pouco tempo depois veio um lance que poderia ter mudado a história da partida. Em uma saída do Fluminense Elias conseguiu fazer a roubada de bola no meio campo e o contra-ataque foi armado com três jogadores do Figueira contra três do Fluminense. O meia carregou a bola até a entrada da área e ao invés de tocar ao lado para Somália que estava livre e pronto para marcar preferiu concluir a jogada e chutou no meio do gol facilitando a defesa do goleiro. E o primeiro tempo terminou mesmo no 0 a 0 muito equilibrado.
Veio o segundo tempo e os minutos iniciais seriam cruciais para a partida. Aos 3 minutos o atacante Rafael Moura recebeu na área, protegeu a bola e quando parecia não ter mais opção para a jogada tocou para Edinho que estava próximo da meia lua da grande área, que de primeira mandou um canhão que Wilson não conseguiu defender. Apenas 2 minutos depois, JP Goiano recebeu a bola na zaga e ao invés de dar um chutão para frente se amarrou e acabou perdendo a bola para Rafael Moura que entrou fácil na área e na saída de Wilson concluir para ampliar o placar. Mesmo com o placar adverso o Figueira tentou correr atrás do placar e fez quase que uma blitz na área tricolor. Em jogada pela esquerda, Juninho entrou na área e de pé direito carimbou a trave adversária. Em seguida JP Goiano de fora da área e Elias e Júlio César também pararam no goleiro adversário. Jorginho tentou ir para o tudo ou nada e sacou Somália e Túlio colocando Héber e Leandro Chaves respectivamente. As alterações não surtiram efeito algum e aos 23 minutos o lateral Mariano driblou juninho na esquerda e cruzou na área para Rafael Moura que subiu mais alto que a zaga alvinegra e de cabeça marcou o terceiro gol do Fluminense e liquidou a partida. Depois disso o técnico jorginho ainda sacou JP Goiano para a entrada de Roger Carvalho numa substituição no mínimo estranha. O objetivo era preservar o jogador dos erros ou expôr o jogador direcionando a culpa pelos gols sofridos a ele? Ficou a dúvida. Com o 3 a 0 no placar o alvinegro não tinha mais forças para buscar algo a não ser um gol de honra e o tricolor carioca também já pensava mais em administrar o resultado, e assim terminou o jogo, com um inexplicável placar que não reflete o que foi a partida.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Figueirense x Flamengo - Um show, só faltou a vitória!

E nesse domingo de dia dos pais o Figueirense recebeu no Scarpelli o todo poderoso Flamengo, um dos líderes do campeonato com várias estrelas no time sendo a principal delas Ronaldinho Gaúcho, e fez um de seus melhores jogos no ano. O técnico Jorginho voltou a jogar com um time diferente do último jogo, com Bruno voltando a lateral direita, Jackson como primeiro volante no lugar de Igor e Fernandes na meia com Elias, Maicon e Túlio, deixando apenas o atacante Julio Cesar na frente. E assim o Figueira foi para o jogo, e logo nos primeiros minutos já foi dando as cartas. Aos sete minutos Maicon cobrou escanteio, Julio Cesar cabeceou e Fernandes completou para as redes mas o gol foi anulado porque o meia estave impedido. O alvinegro estava com o meio campo muito bem postado e dificultava a saída de bola do rubro-negro carioca, que aos poucos foi se encaixando em campo também. O primeiro lance de perigo do time adversário veio aos 17 minutos em cobrança de falta de Ronaldinho Gaúcho na meia esquerda que Wilson voou para fazer a defesa. Foi um lance que deixou o estádio em silêncio com todos apreensivos pela cobrança. Em resposta, Bruno avançou pela direita e na entrada da área chutou forte para a grande defesa do goleiro Felipe. Em seguida, novamente Bruno fez jogada na lateral direita e cruzou para Fernandes na área, que dominou e tentou surpreender chutando de virada mas a bola foi fraca e facilitou a defesa do goleiro. Aos 36 minutos, em uma das poucas falhas de marcação do meio-campo alvinegro, Ronaldinho Gaúcho recebeu e girou fácil em cima de Túlio, tocando na lateral para Leonardo Moura e cruzou na cabeça de Deivid que de frente para o gol cabeceou forte para abrir o placar para o Flamengo. O gol deu moral para o time carioca e antes que o primeiro tempo acabasse novamente Deivid recegeu livre na área mas Wilson cresceu para cima do atacante e fez a defesa parcial impedindo o segundo gol na partida.
Veio o segundo tempo e Somália fez sua estréia com a camisa alvinegra entrando no lugar de Fernandes. Ninguém sabia mas a etapa final seria eletrizante. Logo as 5 minutos o Flamengo ampliou sua vantagem. Ronaldinho Gaúcho bateu escanteio fechado, o goleiro Wilson falhou e Deivid sozinho cabeceou debaixo do gol marcando também seu segundo gol na partida. O gol do time carioca deixou a torcida apreensiva logo no início da etapa final. Para alegria de todos, apenas 3 minutos depois Juninho achou Somália livre na área e o estreante não disperdiçou a oportunidade, chutando forte na saída do goleiro Felipe e diminuindo o placar. O gol deu novamente confiança a equipe e a torcida alvinegra que começou a mostrar sua força. Jorginho parece que finalmente se convenceu que o Figueira tem que jogar futebol e não apenas se defender e para ir em busca do empate sacou Jackson e colocou Pittoni no meio. Aos 25 minutos a pressão foi recompensada. Maicon bateu escanteio, dessa vez Felipe saiu mau do gol e o zagueiro Edson Silva subiu mais alto que todos e cabeceou para empatar a partida. Com o gol o caldeirão ferveu. A torcida alvinegra fez uma verdadeira festa e os minutos finais foram emocionantes pois a qualquer momento um dos times podia sair vencedor embora a pressão fosse toda alvinegra. O gol da virada parecia uma questão de tempo, mas foi justamente esse detalhe que faltou, "tempo". O relógio girou rápido e o jogo acabou mesmo terminando empatado. A torcida fez sua festa e aplaudiu o time que mostrou um incrível poder de reação diante de um time com muitas estrelas e candidato ao título do campeonato. Com o empate o Figueirense chegou aos 23 pontos no campeonato, ocupando a oitava posição na tabela. O próximo jogo do Figueira será quarta-feira as 19:30 hs contra o Fluminense no Engenhão.

sábado, 13 de agosto de 2011

Chegando a Hora - Figueirense x Flamengo

Está chegando a hora daquele que deve ser até agora o maior jogo do ano no Scarpelli. Vem aí o Flamengo, único invicto no Campeonato Brasileiro, com suas estrelas, R10, tradição, etc. Por outro lado o Figueirense passa por um momento estável no campeonato, vindo de uma vitória convincente fora de casa contra o Atlético-MG e com confiança e empolgação de sobra. Pelo momento dos dois times, o jogo tem tudo para ser daqueles inesquecíveis, pra ficar na memória do torcedor. É a chance do alvinegro ser o assunto da semana não só no âmbito nacional como até internacional. Vencer o Flamengo dará ao time uma projeção muito grande, acabando com a invencibilidade adversária e indo brigar até o final do turno na parte de cima da tabela. Durante a semana foi apresentado o atacante "Showmália" e que já está disponível para o jogo, devendo entrar durante a partida. Com os dois gols no último jogo o meia Elias também está confiante para mais uma grande apresentação, dessa vez diante da torcida alvinegra. Essa por sua vez, deve fazer uma grande festa e proporcionar junto com os jogadores um grande espetáculo. Domingo é dia dos pais, mas para muitos a data estará em segundo plano, porque o mais importante nesse dia será o imperdível jogo diante do Flamengo. A todos os alvinegros, um Feliz Dia dos Pais, que todos os caminhos levem ao Scarpelli e que os verdadeiros alvinegros empurrem o time para a vitória.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Somália, Schwenk e nova camisa

SOMÁLIA

Já está na área o provável novo reforço do Figueirense, o atacante Somália. O jogador desembarcou hoje na cidade e foi recebido por Chico Lins, gerente de futebol alvinegro. Somália vem para reforçar o ataque alvinegro que perdeu recentemente o jogador Reinaldo para o Bahia e com a lesão de Aloísio a necessidade de reposição é urgente. Hoje deverá fazer exame médico e deve ser apresentado amanhã no Scarpelli.

SCHWENK

Antes de Somália o nome mais forte para reforçar o ataque alvinegro era do atacante Schwenk que está no Criciúma. O jogador teve duas boas passagens pelo Figueira em 2006 e 2009 e foi sondado para se transferir do time do sul do estado para Florianópolis. Como é de costume dos times do interior, a negociação acabou não caminhando como deveria e o jogador além de não vir defender o Figueirense acabou sendo afastado pela diretoria criciumense, que justificou dizendo que o jogador não estava focado na série B. Apesar de não ser um primor de técnica Schwenk é um jogador que mostra muita raça e disposição, o que acaba compensando um pouco suas limitações, e seria uma boa opção para o alvinegro.

TERCEIRA CAMISA


A torcida do alvinegro já pode encontrar nas lojas Figueira Store a terceira camisa do time. O modelo é simples e lembra um pouco uma camisa de goleiro feita um tempo atrás. É toda preta, com poucos detalhes na manga e na gola, mas nada de espacial. É o famoso pretinho básico, porém ficou muito bonita. Vale a pena conferir apesar do preço ser um pouco salgado.

domingo, 7 de agosto de 2011

Atlético-MG x Figueirense - Sem medo de ser feliz!

video

O Figueirense foi até o Ipatingão em Minas Gerais enfrentar o Atlético-MG para mais uma rodada do Brasileirão 2011 e principalmente, para tentar mais uma vez como vem acontecendo desde o início do campeonato, conquistar sua primeira vitória fora do Scarpelli. E finalmente o dia chegou. E finalmente Jorginho não teve medo de ser feliz. E finalmente o Figueirense soube aproveitar as oportunidades criadas fora de casa.
Logo aos 9 minutos em um ataque alvinegro, Héber aproveitou cochilo do zagueiro, roubou a bola e cruzou para a área encontrando Elias que chegou chutando de primeira com o pé direito e abriu o placar para o Figueira.  O gol deixou o time do galo mais ansioso e o Figueirense controlava a partida sem dar oportunidades do adversário chegar ao gol do goleiro Wilson. As poucas chances criadas pelo time da casa vinham em bolas alçadas na área ou em chutes de fora da área. Aos 21 minutos Elias teve a chance de ampliar o placar ao receber livre na entrada da área e chutar no canto, fazendo o goleiro Giovanni fazer boa defesa. A partida estava controlada, o meio campo do alvinegro ditava o ritmo do jogo tocando bem a bola e contando com o apoio dos laterais, enquanto que o galo mineiro buscava forças na cobrança da torcida para criar alguma jogada perigosa. E foi diante de vaias que o Atlético-MG viu o Figueirense chegar ao segundo gol já aos 45 minutos de jogo. O atacante Julio Cesar fez jogada na ponta direita, foi próximo da linha de fundo e tocou na área encontrando Elias que novamente chegou chutando de primeira, e dessa vez de perna esquerda completou para as redes ampliando a vantagem alvinegra no final do primeiro tempo.
No intervalo o técnico Dorival Jr. do Atlético-MG foi ao desespero e já fez as três substituições a que tinha direito, indo para o tudo ou nada. E a atitude inicialmente deu certo. Logo no primeiro ataque atleticando, com 1 minuto de jogo, Neto Beirola sofreu falta de Ygor na lateral direita da área. Na cobrança a bola foi jogada na área e Dudu Cearense completou para o gol na frente do goleiro Wilson. Apesar do gol, para a sorte do Figueirense, Dudu Cearense se chocou com a trave no lance e teve que deixar o campo, e consequentemente o Atlético-MG ficou com um a menos já que não podia mais fazer substituições. Mesmo com um a menos o time da casa ainda conseguiu criar algumas chances de perigo e na melhor delas, Magno Alves cabeceou sozinho na área e a bola passou a direita do goleiro Wilson, em uma falha gritante do setor defensivo alvinegro. Mesmo com o galo mineiro tentando ainda o gol de empate, o Figueirense conseguia ainda controlar a partida. Foi então que o técnico Jorginho começou a ficar com medo de ser feliz. Primeiro tirou Héber e colocou Wellington em campo. Jackson ainda entrou no lugar de Maicon e Julio Cesar de lugar a Pittoni. O tempo foi passando e apesar de não conseguir criar mais nenhuma grande jogada de perigo, o Figueira tocou bem a bola e soube gastar o tempo para conseguir enfim sua primeira vitória fora do campeonato. A derrota custou ao técnico Dorival Jr. o emprego no comando do galo e deu ao técnico Jorginho mais confiança para o restante do campeonato. Agora é lotar o Scarpelli e empurrar o Figueirense para a vitória diante do Flamengo no próximo domingo, dia 13.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Últimas do Figueirense

Após a vitória contra o Botafogo na quarta-feira o Figueiense passou a se preparar em busca da primeira vitória fora de casa no Brasileirão 2011, contra o Atlético-MG no sábado, 21:00 hs. Enquanto isso, fora de campo muita coisa anda acontecendo, dispensa, entrevistas, polêmica relação dos jogadores, etc. Vamos a elas.

Dispensas

Saiu ontem uma lista de dispensas no Scarpelli. Dudu, Juninho Frizzi, Fernando Gabriel e Lenny estão fora dos planos alvinegros. O nome que chama mais atenção obviamente é do atacante Lenny que chegou ao Figueirense com status de estrela e jogou apenas 8 minutos nos 7 meses que aqui ficou. Foi o jogador mais "chinelinho" que apareceu por aqui nos últimos anos, e na verdade já foi tarde. Bruno Neves e Talheti por pertencerem ao clube também foram liberados para negociarem com outros clubes e serão emprestados para voltar ano que vem.

Relação Jogadores

Saiu hoje a relação dos jogadores que viajarão até Minas Gerais para enfrentar o Atlético-MG. Um nome que é novidade na lista é do jogador Leandro Chaves. O jogador estava no DM alvinegro e há pouco tempo voltou a treinar com o grupo e aparece como opção para o técnico Jorginho no meio. Em compensação, o treinador não relacionou o ídolo Fernandes, alegando desgaste no jogo contra o Botafogo e que é melhor preservá-lo para o jogo diante do Flamengo. Porém, o jogo contra o Flamengo é somente no domingo dia 13, ou seja, Fernandes teria uma semana para descansar para esse jogo. É ver o que vai dar.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Figueirense x Botafogo - Um alívio para todos

video

Na noite de ontem o Figueirense recebeu o Botafogo no Scarpelli para mais uma rodada do Brasileirão, buscando mais do que nunca a vitória para interromper a série de partidas sem vencer já que passou o mês de julho inteiro invicto negativamente e também era uma última chance de Jorginho livrar seu pescoço da degola já que os resultados negativos estavam ficando insustentáveis. O Botafogo também vinha de dois bons resultados e mesmo assim o técnico Caio Jr. não é nenhuma unanimidade entre os torcedores cariocas. Com isso, a partida começou e os dois times procuravam mostrar serviço cedo. Muita velocidade e movimentação pelos pelos dois lados marcaram o início da partida e aos 18 minutos o Figueirense abriu o placar. Elias sofreu falta na meia direita e ele mesmo cobrou na cabeça do zagueiro Édson Silva, que só escorou a bola para o fundo das redes. Aberto o placar o Figueira passou a ter mais tranquilidade na partida e passou a se segurar mais na linha da defesa para explorar os contra-ataques com Fernandes, Elias e Julio César. Com a dupla de zaga JP Goiano e Édson Silva fazendo uma partida segura e irreárável o goleiro Wilson praticamente não foi exigido no primeiro tempo. Aos 39 minutos veio o segundo gol. O atacante Julio Cesar recebeu na lateral direita, levou a bola para a área e ao tentar passar por entre dois zagueiros foi conseguiu cavar um pênalti que ele mesmo bateu e ampliou o placar, fechando a etapa inicial com o placar parcial de 2 a 0 para o Figueirense.
Veio o segunto tempo e o Figueira voltou com o volante Jackson no lugar de Túlio e claramente posicionado para se defender e segurar o placar, se arriscando pouco e tentando alguma jogada ofensiva nos contra-ataques. O Botafogo veio com mais disposição porém não conseguia chegar ao gol de Wilson a não ser em chutes de fora da área que mesmo assim saíam sem direção. Jorginho sacou Coutinho machucado e colocou Roger Carvalho na lateral direita. Aos 20 minutos a situação piorou com a expulsão do zagueiro Edson Silva, que levou o segundo cartão amarelo depois de falta no atacante Herrera próximo da área. A partir daí o Figueirense praticamente só se defendeu. Com duas linhas bem postadas de quatro jogadores e apenas Julio Cesar jogando um pouco mais adiantado o alvinegro se defendia como podia e o Botafogo continuava a mostrar dificuldade de chegar próximo da área. Novamente Jorginho mostrou serviço sacando Elias no meio e reforçou a marcação com Pittoni. O time carioca ainda assim não encontrava facilidades e pouco ameaçava ofensivamente e no lance mais perigoso, Felipe Menezes chutou forte de fora da área mas Wilson atento espalmou para a linha de fundo já no final do jogo. Nos minutos finais em um dos raros ataques alvinegros, Fernandes recebeu na frente do goleiro Jefferson mas já sem pernas tocou fraco tentando encobrir o goleiro, que fez a defesa sem dificuldades. Agora o Figueira se concentra para enfrentar o Atlético-MG sábado em Sete Lagoas, buscando ainda a primeira vitória fora de casa.